Passar para o conteúdo principal
x
No 3º Período, Capacita-te em casa: Inês Alexandre partilha connosco a sua experiência na área do Empreendedorismo Social

O projeto No 3º Período, Capacita-te em casa chegou ao fim no dia 3 de junho, encerrando da melhor forma: recebemos o testemunho da Inês Alexandre que partilhou connosco a sua experiência na área do Empreendedorismo Social, enquanto CEO do Movimento Transformers, formadora do IES – Social Business School e uma das representantes do projeto 100 Oportunidades.

Para nos tornarmos empreendedores sociais, a Inês Alexandre explica que o primeiro passo é conhecermo-nos a nós próprios, pois será um caminho duro, que requer resiliência e, muitas vezes, poucos recursos. Antes de nos aventurarmos nesta área, devemos fazer um exercício: como é que as nossas experiências de vida, as nossas competências e as pessoas que mais nos influenciam colaboraram, de alguma forma, para a criação do nosso Eu? As nossas experiências dão origem às nossas competências, as quais, por sua vez, são influenciadas pelas pessoas que conhecemos. Parte daquilo que somos é, pois, o resultado destes três agentes!

O passo seguinte é a identificação de um problema social, que deverá ser INE: importante, negligenciado pela sociedade e com externalidades, ou seja, que provoque consequências negativas em mais do que uma área. A Inês Alexandre sublinha que, muitas vezes, pensamos logo em soluções e só depois no próprio problema, o que poderá dificultar o nosso trabalho. Por essa mesma razão, em primeiro lugar, deveremos identificar o problema central, compreender quais as suas causas e os seus efeitos e, então, ligá-lo às nossas paixões e àquilo que gostamos, porque devemos sentirmo-nos confortáveis a trabalhar com o problema que identificámos.

De todas as vezes que quisermos criar algo novo, devemos focar-nos e organizarmo-nos por tarefas. Temos de pesquisar se já existe alguma coisa a ser feita para tentar resolver o problema que foi identificado por nós, combiná-lo com as nossas competências e com os nossos gostos, para que possamos atingir o próximo passo: encontrar o espaço de inovação do projeto que propomos.

Depois de termos o problema bem definido, não nos podemos esquecer da nossa proposta de valor e das atividades que queremos organizar: o que vamos fazer? Como o vamos fazer? Onde é que as queremos implementar? Vão ser atividades abertas à sociedade? Vamos propô-las a municípios ou a empresas? As mesmas deverão ser “informais, frescas e irreverentemente responsáveis”, como explica a Inês, pois devemos ser sempre profissionais e conscientes em relação ao projeto de empreendedorismo que procuramos desenvolver.

Apesar de não saber o que o futuro lhe reserva, a Inês Alexandre sabe que esta é a área onde se sente mais confortável, pois valoriza muito a liberdade criativa que lhe dá. O que mais a enriquece naquilo que faz é, sem dúvida, as pessoas que conhece e também com quem tem o privilégio de trabalhar!

Agradecemos muito à Inês Alexandre pela sua partilha de experiências e de conselhos na área do empreendedorismo social!

Muito obrigada a todos os convidados que aceitaram o nosso desafio e muito obrigada a ti, que estiveste desse lado! O Capacita-te em casa chega, assim, ao fim – mas a nossa missão continua! Continuamos a trabalhar para a juventude do Município de Cascais. Segue-nos nas redes sociais para que possas ficar a par de todas as iniciativas que temos para ti!

 

CAPACITA-TE EM CASA! ATÉ BREVE!


Sobre Cascais